Fundos de Pensão: migrar ou não migrar

24 07 2018

Fui servidor federal por toda minha vida e era sindicalista quando lutamos contra a Reforma da Previdência de 2003 que introduziu os fundos de pensão. Muita água correu e no próximo dia 27 ou 28 de julho os servidores terão que optar se migram para o novo sistema ou permanecem como estão, ou ainda se optam por um meio termo, uma espécie de limbo. Muitos estão bastante confusos. Esta é minha intervenção num debate sobre o tema e meu conselho.

Eu jamais abriria mão do nosso direito de aposentadoria integral com paridade. Na época da reforma do Lula em 2003 estudei tudo a respeito de fundos de pensão no Chile e na Argentina, além dos fundos do Brasil: PREVI (BB), PETROS (Petrobrás) e FUNCEF(Caixa Econômica Federal). Na Argentina e no Chile, como nos demais países que fizeram o mesmo, os caras do mercado financeiro entôam cantos de sereia para seduzir os incautos com promessas mil que não tem como ser cumpridas. Os superfundos brasileiros citados acima funcionaram pois tinham coparticipação de 2×1 garantida desde a sua fundação. Os fundos de servidores criados pela reforma são por lei 1×1. No debate promovido pelo meu sindicato os dois palestrantes (um deles presidente do Funpresp-Jud, o fundo do Judiciário) concordaram que é matematicamente impossível cumprir o prometido com 1×1. Então a coisa se resume a ter fé que alguma intervenção divina vai resolver o problema. Sempre poderemos pintar um cenário “possível” e acreditar nele mesmo que as condicionantes necessárias ao final feliz sejam tantas e tão improváveis. Questão de fé que é utilizada a rodo pelo mercado financeiro, único interessado nos bilhões que os servidores voluntariamente vão entregar aos famintos chacais das bolsas de valores. De acordo com a lei os administradores de fundos que são escolhidos de forma pouco democrática, não podem operar diretamente no mercado de capitais. São obrigados a se utilizar de corretoras ligadas a bancos. Olha o ladrão aí! Os participantes ou seja nós otários convertidos quase inconscientemente a adoradores do deus mercado não controlam os investimentos do seu dinheiro. Tem também a baboseira da “portabilidade” que é poder tirar de uma armadilha e colocar em outra ou poder sacar sua poupança. Tem gente que acha lindo “ter o seu capital” para fazer investimentos. Acham que vão ficar ricos. São servidores, não chacais da bolsa.

Contam que o velho Rockfeller, lenda do mercado financeiro estadunidense, tomou um taxi para Wall Street em 1929 e durante o percurso ouviu do taxista uma aula sobre investimentos na bolsa de valores e dos lucros que vinha obtendo como investidor. Dizem que Rockfeller chegou em seu escritório e mandou vender imediatamente todas as ações que possuia. Quando o secretário perguntou porque, ele teria dito: quando um motorista de taxi começa a investir no mercado de capitais alguma coisa muito ruim vai acontecer. Assim ele escapou de perder tudo na quebra da bolsa de 1929. Se aconteceu realmente assim não sei, mas sei que mercado de capitais é um cassino onde só ganham os que tem cacifes de bilhões. Os pobres iludidos com o canto de sereia são as vítimas que garantem a acumulação dos bilionários a custa de suas próprias ruinas. Então não se iludam com ganhar dinheiro suficiente para bancar aposentadoria com investimentos de merrecas no mundo dos bilhões. Estamos falando de garantir o salário da aposentadoria até a morte sem redução. Até hoje, em nenhuma parte do planeta, nenhum fundo garantiu isso, só a previdência pública e solidária. Ao contrário o que se vê são chantagens sucessivas no sentido de reduzir o benefício senão o fundo quebra. Até no PREVI e no PETROS acontece a toda hora. Começaram por mudar de Benefício Definido (o contrato prevê o valor do benefício) por Contribuição Definida (o cara sabe quanto vai pagar, mas não sabe quanto vai receber). Este último é por lei o sistema dos servidores. Na PREVI e PETROS os participantes foram chantageados para voluntariamente alterar os estatutos para este modelo. Por esse sistema (que é o nosso por lei), cada vez que o fundo tem problemas de caixa por má gestão, golpe do mercado ou fraudes, os benefícios (valor da aposentadoria complementar) tem que ser reduzidos para “salvar o fundo”. Se com tudo isso alguém ainda achar vantajoso trocar o certo pelas promessas do mercado, sugiro comprar um pato amarelo como amuleto e andar sempre com ele. Quem sabe dá sorte.

Anúncios

Ações

Informação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: