Sou oposição ao futuro prefeito de Florianópolis

22 10 2012

Me declaro desde logo OPOSIÇÃO ao futuro Prefeito de Florianópolis por que TODOS SABEM que qualquer um deles vai ser a continuidade de uma Prefeitura a serviço das grandes empreiteiras que atacam dia a dia o meio ambiente, maior patrimônio da nossa cidade. Sou oposição porque qualquer um deles vai ser a impossibilidade de mudanças no transporte público privado pelos compromissos com as empresas. Qualquer deles pertence à mesma classe, a classe dos empresários que defendem um modelo de desenvolvimento INSUSTENTÁVEL para Florianópolis. Qualquer deles é gato do mesmo saco da política baixa, golpista, que só chega perto do povo na hora de gravar propaganda eleitoral. O Junior é do partido do Governador e o Gean é do partido do vice-governador. Os dois se fingem de adversários, mas são aliados, são situação neste governo que ainda tenta a todo custo reeditar o neoliberalismo. PMDB, DEM-PSD e PSDB, são parceiros abraçados há anos em Santa Catarina conspirando contra os governos Lula e Dilma, defendendo privatização do estado sob qualquer forma, negando direitos dos professores, governando para os ricos. Estão mais preocupados com uma Fábrica da BMW para produzir carros de luxo do que com resolver os gravíssimos problemas do transporte coletivo na capital e no Estado.

Qualquer tentativa de justificar apoio a um deles sob argumento da política nacional é equivocada ou ingênua. O PMDB catarinense de Luiz Henrique governou o Estado durante os dois governos Lula sempre aliado dos maiores adversários do governo federal: o PSDB e o DEM pelo qual se elegeram o governador Colombo e César Junior (que já mudaram de partido para disfarçar mas continuam a mesma coisa – cria dos Bornhausen). O PMDB daqui é tanto oposição ao governo federal quanto PSDB, DEM ou PSD (ex-DEM). Todos GATOS do mesmo saco. Todos trocam de partido como trocam de camisa para continuar no poder eternamente.

Vou votar EM BRANCO e continuarei LIVRE para ser oposição de qualquer dos dois pelos próximos quatro anos. Terei liberdade e coerência para fazer oposição de verdade desde o primeiro dia de gestão, e ajudarei nas mobilizações que precisam voltar a acontecer, a cada medida que tomarem para beneficiar empreiteiras, privatizar o serviço público, destruir o meio ambiente, fazer acordos com empresas de ônibus.

Não me sinto no dever de “indicar aos eleitores” de Angela-Nildão, qual é o menos ruim entre Gean ou Cesar. Quem votou na Angela é de luta e sabe não tem mudança nem com um nem com outro. Prefiro indicar o caminho da luta nas ruas em defesa da cidade.

Continuo tendo a direita como principal inimiga política e ideológica e vou votar branco sem rabo preso com ninguém. Esta é minha posição política. Não há lógica que obrigue alguém a votar num ou noutro quando se sabe que nehum serve. Ser oposição é a opção política coerente depois do primeiro turno. O resto é fisiologismo mal disfarçado, é barganha por cargos num governo que sabidamente vai continuar construindo uma Florianópolis para os ricos e muito ricos e tentando expulsar os pobres da ilha para o continente. Não podemos ser cúmplices dessa política.

Anúncios




O partido no divã

12 10 2012

Ouvir vozes, paranoia, ver algo que ninguém mais vê, crenças extremistas

mal fundamentadas, descuido com si mesmo, hostilidade, fala incompreensível e

mudança na personalidade são alguns dos possíveis sintomas de esquizofrenia.”

O partido entrou no consultório de camisa azul e vermelha, cabelos comportados e barba bem feita. Deitou no divã e começou a relatar suas certezas. Era a primeira sessão depois do primeiro turno das eleições.

Ontem tive uma visão, disse convicto, devemos apoiar um dos candidatos da direita, neoliberal, “a serviço da especulação imobiliária e que faz da prefeitura um balcão de negócios” porque assim estaremos ajudando o Chavez e a Cristina Kirschner, o Evo Morales e o Rafael Correa a combaterem a direita na Venezuela, na Argentina, na Bolívia e no Equador. Foi um sonho lindo. Michel Temer e Sarney de camisetas vermelhas em frente ao palácio Miraflores gritando “Chavez no se vá”.

O psicanalista, como é peculiar a este tipo de profissional, apenas moveu os olhos em direção ao paciente no final da primeira frase. Já conhecia o caso de outros carnavais, ou melhor dizendo, outros segundo turnos. Coçou a longa barba já grisalha e sério começou a anotar num bloquinho com letras tão pequenas que parecia não estar escrevendo nada.

Esse discurso que na eleição na Venezuela toda a direita da América se uniu para tentar derrotar Chavez, continuou o paciente em tom professoral meditativo, é pura bobagem. A direita do México participou da campanha apenas com tecnologia de telecomunicações via telefones, internet, etc., porque era amiga do Capriles. Só isso, relações pessoais. As mídias brasileira, argentina, mexicana, estadunidense e outras só fizeram campanha para a direita por coincidência. Não foi nada orquestrado. Que gente paranóica. Afinal o mundo é livre e é uma aldeia global. É natural que pessoas em diferentes lugares pensem da mesma foma. Viva a Liberdade. No caso da nossa cidade, precisamos um olhar mais acurado. É preciso observar que ocorre um fenômeno político-econômico-ideológico complexo: a vitória da direita aqui, é fundamental para a vitória do projeto socialista nos outros países! UAU! Tem que ter muita experiência histórica para captar as sutilezas da realidade, afirmou em tom narcisista. Ainda bem que nós temos. Não adianta querer explicar porque ninguém vai entender mesmo, mas nós sabemos, isto é o que importa, podem confiar.

Nem sei o que estou fazendo deitado neste divã. Pelo menos serve para descansar um pouquinho da campanha do primeiro turno pois a batalha do segundo já vai começar. Agora somos todos “balcão de negócios”! Uh! Ah! Balcão de Negócios já!

É óbvio que devemos apoiar no segundo turno um dos dois candidatos da direita neoliberal, a serviço da especulação imobiliária e que fazem da prefeitura um balcão de negócios. Devemos ter posição em tudo! Sempre podemos escolher ainda que seja entre morrer queimado ou sufocado.

Claro, incautos poderão dizer que existe ainda a opção de ficar vivo, mas esta não é uma opção, é covardia, é falta de visão política.

Temos que enxergar longe… este apoio aqui no segunto turno, por exemplo, vai ajudar a eleição de um prefeito de esquerda em Jundiaí! Jundiaí, o último bastião do socialismo! Os esquerdistas não conseguem entender isto. Os próximos 100 anos de luta da classe trabalhadora estão em jogo em Jundiaí! A grande revolução do século XXI vai começar no interior de São Paulo!

Por outro lado, é evidente que somos os melhores representantes da esquerda consequente neste país! Fizemos uma campanha impecável. Nos apresentamos como a única candidatura diferente das “oligarquias que há décadas dominam a cidade” e promovem a especulação imobiliária. Nos declaramos inimigos dos “que fazem da prefeitura um balcão de negócios”.

Que frases geniais. Criadas por nós! Acho que o prêmio de marketing da ADVB deste ano está no papo.

Nos últimos oito anos fizemos uma política coerente com nossos princípios e criticamos severamente a administração municipal pelos grandes negócios a custa do dinheiro público, falcatruas criminosas para favorecer construção de shoppings, pior transporte público do país, etc. Não demos trégua, fomos implacáveis. Até ontem. Agora, segundo turno é outra eleição, é hora de virar a página e termos a grandeza de apoiar o candidato da situação que criticávamos até domingo, cujo programa é dar continuidade à administração anterior. Isto só demonstra nossa capacidade de fazer política com coerência.

Algumas pessoas não conseguem entender. Idiotas. Não enxergam a causa maior que está em jogo. Vamos ajudar a eleição do prefeito de Jundiaí! UAU! Vamos ajudar o Chavez na Venezuela! UAU!

Sinceramente, o que é a destruição de uma ilhazinha que já vai ser destruída mesmo com qualquer dos dois candidatos que sobraram, diante da possibilidade de construir uma Comuna Socialista no interior de São Paulo, berço dos tucanos? Só os esquerdistas traidores que fazem o jogo da direita apoiados pela RBS, não conseguem enxergar, mas estes são do mal.

E ainda tem a petulância de dizer que caimos em contradição! Não entendem que o jogo democrático é assim. Uma coisa é  discurso para ganhar eleição. Outra coisa é outra coisa. É assim que se faz. Todo mundo faz. E a parte da direita que vamos apoiar é direita, mas não é tão ruim assim. Teve o Luizão, que governou oito anos o Estado junto com PSDB e DEM contra o Lula, mas no fundo é amigo. O careca, da outra oligarquia também já foi amigo, “somos todos carecas”, lembram. Que demonstração de grandeza moral! Inimigo mesmo da classe trabalhadora é o PSOL que nos tirou os votos de esquerda.

Mas o povo entende que para melhorar a cidade neste momento é muuuuuito melhor uma aliança com a direita do balcão de negócios, do que com um partido mais à esquerda que só sabe protestar e tem interesses eleitoreiros. A única esquerda legítima somos nós. Ninguém mais representa os interesses do povo da cidade do que nós. Veja a nossa bandeira, veja o nome do partido, com todas as letras! Foice e martelo! Cor vermelha! Esquerda somos nós. Você não viu as bandeiras na campanha? Não? É que achamos melhor não mostrar muito para não assustar. Até misturamos azul com vermelho para dar uma aliviadinha. Tem gente que pensa que queremos fazer revolução e essas coisas antiquadas. Deixa isso para o Chavez e para o Fidel. De mais a mais, não há contradição alguma em ser de esquerda e pedir votos para a direita. Ao contrário, é uma demonstração de coragem. Não precisamos provar nada pra ninguém e se olharmos bem, a direita não é tão ruim assim! Traidor é o outro partido de esquerda que não quer fazer acordos e prefere ficar à margem da História. Eles não sabem o que é bom para a cidade! Eles não entendem que é irrelevante se vamos continuar por mais quatro anos com o balcão de negócios e com o pior transporte público do país. Que aliás não vai ser tão ruim assim. Vamos ter GPS nos ônibus! É um avanço incontestável! Só não enxerga quem não quer. Pior cego é o que não quer ver! Qual o problema de continuar por mais quatro anos com algumas construtoras construindo nas dunas? Pelo menos a gente não vai sujar o pé de areia quando for a praia. Vai ser tudo asfaltado. Qual o problema se o plano diretor vai ser estuprado de vez em quando por vereadores financiados pelas empreiteiras. Que mal tem? São só quatro anos. Estupram mas não matam, como disse um político paulista da base, uma vez. Depois, lavou tá novo.

Além do mais vamos fazer toda a diferença num governo de continuidade. Nossa presença vai deslocar a administração mais para a esquerda! Balcão de negócios, mas balcão de negócios mais à esquerda. Afinal somos os fodões da esquerda! É ou não é melhor? Vamos descontinuar a continuidade! Bom, cá entre nós, ninguém acredita que vamos puxar os caras para a esquerda, mas em compensação provavelmente vamos ganhar uns espaços importantes como uma secretaria de esportes, por exemplo, e ajudar a facilitar grandes obras para a Copa do Mundo. Tudo em nome do interesse nacional. Futebol, o esporte do povo! O importante é ocupar espaços para a esquerda – que somos nós. Tem probleminhas menores, é claro, sempre tem. Vamos ter que endossar os negócios do “grande balcão” ou perdemos o espaço. Mas isto é fácil, já fizemos uma vez. Ocupamos a secretaria de esportes durante o governo neoliberal de oposição a Lula do Luizão e não criticamos nadinha! Nem os aliados PSDB e DEM. Depois, quando faltavam poucos meses para a eleição, tomamos uma atitude radical e saimos do governo por não concordar com sua política. Pronto, demos uma resposta à sociedade. Saimos por cima e demos um golpe no governo safado neoliberal. Pena que eles elegeram o sucessor, o traidor mau caráter que se elegeu pelo DEM depois foi para esse partido do Kassab.

Quem não tem probleminhas? Por exemplo, todos dizem que na política não existem espaços vazios. É verdade. Deixamos o espaço vazio à esquerda e os canalhas do PSOL pegaram. E que espaço, puta que pariu! Do nada a catorze por cento em dois meses de campanha! E nós que chegamos a estar em primeiro caimos para terceiro. Tudo culpa deles apoiados pelos empresários e pela RBS. Por isso cresceram e nos prejudicaram.O PSOL é uma grade armação da direita para impedir os avanços da esquerda no Brasil. É o que há de pior na política brasileira. Pior que Sarney, Temer e ACM junior juntos. Foi uma injustiça ficarmos de fora do segundo turno, mas eram todos contra nós. Ainda bem que um dos nossos princípios é a autocrítica. Graças a ela podemos entender que fizemos tudo certo, mas não fomos compreendidos. A sociedade brasileira ainda não está preparada para entender nossa proposta. Fizemos uma política ampla e nos acusaram de ficar em cima do muro, tivemos uma posição flexível com a especulação imobiliária no caso da Ponta do Coral, para não assustar e conseguimos até uns empresários da construção para nos apoiar. Um avanço expetacular. Alguns abutres disseram que perderam a confiança em nós, os catorze por cento. Mas estes que se bandearam para o PSOL não nos interessam. São esquerdistas afetados pela doença infantil. Nós não. Somos vacinados contra este mal. Todos temos o livro do Lenin na estante. Tá certo que a maioria não leu, mas o que importa é o título: Esquerdismo: a doença infantil do comunismo. O título diz tudo e basta. E ainda temos que ouvir de alguns analfabetos políticos essas especulações absurdas que se tivéssemos priorizado acordos com a esquerda estaríamos juntos no segundo turno contra as “oligarquias que há décadas dominam Florianópolis e fazem da prefeitura um balcão de negócios”. Que frase! Ora, a esquerda somos nós não esses ignorantes políticos esquerdóides que querem nos destruir.

O importante é ter princípios. Na verdade essa coisa de direita e esquerda está superada, são fantasias do passado, maniqueísmo de dinossauros em extinção. Estamos na era da política pós-moderna. Tudo é tudo, nada é nada. A realidade é flexível. Nada é o que vemos, mas também pode ser. Que dialética que nada. Que coisa velha, tese, antítese, síntese…papo acadêmico de sociólogo francês. A vida é linear. A gente vai indo, indo, indo… Essa coisa de querer chegar a um lugar definido, socialismo, é coisa velha. É querer engessar a vida. Olha só o belo exemplo de flexibilidade e sucesso na política que é o PMDB. Consegue estar em todos os governos sempre. Todos, direita, esquerda, centro, neoliberal. Não importa, o que vale, é participar, é ocupar os espaços…

Mas o que é isso! O que vocês estão fazendo? Camisa de força não! Me soltem! Eu estou bem. Eu não estou louco! Isto é perseguição política. Ataque à liberdade de expressão! É patrulhamento ideológico. Cadê a Anistia Internacional? Socorro!

Não, não! injeção vermelha não! Vermelha nããããão…caaanaaaalhaaaasss……….. . . . . . . . . .








%d blogueiros gostam disto: